29/1/09

POVO QUE LAVAS NO RIO
M: Fado Victoria
L: Pedro Homem de Melo

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Fui ter à mesa redonda
Bebi em malga que me esconde
O beijo de mão em mão.
Era o vinho que me deste
A água pura, puro agreste
Mas a tua vida não.

Aromas de luz e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição.
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

2 comentaris:

perla ha dit...

No sé com presentaràs aquest nou projecte... però la idea inicial m'encanta! Molta sort Névoa! Hummm i per quan un concert a Lisboa? :-) Aquí et deixo un dels meus fados preferits de l'Amália: http://www.youtube.com/watch?v=PZFPPnO9qRU

Núria Piferrer ha dit...

Hola Perla,
quan de temps!
Gràcies per escriure.
I a veure si ens veiem aviat per Lisboa. Seria genial!
N