21/1/09

PRIMAVERA
Todo o amor que nos prendera,
Como se fora de cera,
Se quebrava e desfazia.
Ai funesta Primavera,
Quem me dera, quem nos dera,
Ter morrido nesse dia.

E condenaram-me a tanto,
Viver comigo meu pranto,
Viver, viver e sem ti.
Vivendo sem no entanto,
Eu me esquecer desse encanto,
Que nesse dia perdi.

Pão duro da solidão,
É somente o que nos dão,
O que nos dão a comer.
Que importa que o coração,
Diga que sim ou que não,
Se continua a viver.

Todo o amor que nos prendera,
Se quebrara e desfizera,
Em pavor se convertia.
Ninguém fale em Primavera,
Quem me dera,
quem nos dera,
Ter morrido nesse dia.
Lletra: David Mourão-Ferreira
Música: Pedro Rodrigues
No he trobat cap vídeo d'Amália cantant-la.
Camané la canta aquí

1 comentari:

maicher ha dit...

Although from different places, but this perception is consistent, which is relatively rare point!
nike dunk